Por: Cintia Farias Assunção – Professora de História no Ensino Fundamental Anos Finais

E QUE COMECEM OS MEMES… 

“Fazer memes é tirar risadas das pessoas, e, conseguimos fazer isso estudando história”. Meme de: Gianluca Bordon e Gabriel Nóbrega

Quem nunca deparou com um meme? Além do humor característico, eles são responsáveis até mesmo por instigar a curiosidade acerca de temas até então desconhecidos por algumas pessoas.

E o que tais publicações, tão populares e cheias de audiência no contexto das redes sociais, têm a contribuir com o protagonismo e aprendizagem juvenil?

A BNCC nos ensina, por meio de uma de suas competências gerais e habilidade específica: 

5. Compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares) para se comunicar, acessar e disseminar informações, produzir conhecimentos, resolver problemas e exercer protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO; CONSED; UNDIME. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educação, 2018. p. 9

EF08HI04: Identificar e relacionar os processos da Revolução Francesa e seus desdobramentos na Europa e no mundo

“A história ficou bem mais divertida e diferente. Não fiquei só “olhando” o que aconteceu, participei mais da aula”. Meme de: Gianluca Bordon e Gabriel Nóbrega

Diante do cenário híbrido no qual estamos – e estaremos – inseridos, e pautados pelo compromisso de construir o conhecimento com excelência, como entender um contexto histórico que nos parece tão distante de nossa realidade? É possível despertar nos alunos interesse semelhante ao que têm em navegar por suas redes sociais? Por que não trazer esse universo para dentro dos conteúdos essenciais que abordamos todos os dias em sala de aula (virtual ou presencial)?

Os estudantes do 8° ano Lélia Gonzalez, do Ensino Fundamental – anos finais, abraçaram com entusiasmo a proposta de aula invertida, reflexão crítica sobre a chamada Revolução Francesa.

“Foi uma atividade diferente das outras. Expandiu a minha criatividade”. Meme de: Tiago Cardum e Gabriel Nóbrega.

Inicialmente, utilizamos o Google Arts and Culture, ferramenta tecnológica que lhes permitiu viajar de modo virtual (inclusive em 3D, realidade virtual e aumentada) no tempo e no espaço, contemplando os privilégios dos moradores do Palácio de Versailles, e de um de seus habitantes mais ilustres, o rei Luís XVI, importante símbolo do absolutismo.

Em contrapartida à vida de luxo e ostentação da nobreza do século XVIII, foram disponibilizados aos alunos, álbuns fotográficos virtuais, que os levaram a conhecer a realidade dos camponeses franceses que nesse mesmo período histórico, sofriam com a fome e com os desmandos promovidos pela realeza.

Possibilitamos aos alunos um deslocamento no processo de ensino-aprendizagem, dando centralidade às ações dos mesmos, e, após as discussões dos assuntos pertinentes, com realização de atividades por meio da ferramenta digital Wooclap, que os levaram à reflexão sobre o abismo social presente entre os Estados franceses, propusemos a produção de memes, um gênero textual largamente difundido no mundo virtual e uma forma de comunicação que pode contribuir para a difusão do conhecimento histórico.

O resultado foram aulas atraentes, interativas, divertidas e, sobretudo, repletas de aprendizado, afinal, todos estamos nos reinventando, sempre!

Memes e outros feedbacks sobre as atividades propostas:

“ Achei uma atividade muito gostosa de se fazer, achei que aprendi melhor”.

“A atividade foi muito interativa. É bom não focar só na apostila”.

Meme de: Júlia Kaori
Memo de: Tiago Cardum e Gabriel Nóbrega
Meme de: Felipe Athayde e Matheus
Ferrante
Meme de: Fernanda Loreano

Meme de:
Isabella Buffo e Isadora Souza 
Meme de: William Stachewschi
Meme de: William Stachewski

“Quem ensina, aprende ao ensinar. E, quem aprende, ensina ao aprender.”

Paulo Freire.

O melhor caminho é o que fazemos juntos!