Ateliê de Educação Física e História – “Ser! na História dos Esportes Olímpicos” – Lucas Freitas Mineh e Vinícius Marques Tomereli – 7.º ano Ecossistema

“Aline Pará”

Aline Pará

Aline Waleska Lopes Rosas, mais conhecida como Aline Pará, nasceu em João Pessoa, em 28 de junho de 1979. É uma handebolista brasileira eleita a melhor jogadora do Campeonato Brasileiro de Handebol Feminino de 1995. Teve um de seus grandes momentos como profissional da modalidade do Handebol, a participação nos Jogos Pan-Americanos de 2003, em Santo Domingo, defendendo o uniforme da seleção brasileira, quando conquistou, juntamente com a equipe, a medalha de ouro.

Disputou as Olimpíadas de Atenas em 2004 e, nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, defendeu a seleção brasileira, que ficou em 9° lugar. Atualmente é a técnica da equipe juvenil e júnior da seleção sorocabana de handebol e, no Colégio Ser! Sorocaba, atua como técnica da equipe de handebol escolar.

Abaixo, reproduzimos uma matéria em que Aline Pará responde a uma entrevista à Agência Estado em 5 de agosto de 2004.

As adversárias que não conheciam a pequena Aline “Pará”, com 1,59 mts, podiam até desprezá-la em um primeiro momento. Mas quando o árbitro apitava e a ponta-esquerda pegava a bola, as rivais tinham de correr muito para alcançar a brasileira. “Por ser pequenininha, procuro tirar vantagem da rapidez e agilidade”, contou a paraibana, em entrevista ao Estadão, dizendo que só começou a jogar handebol por causa de uma bolsa de estudos. “Minha irmã mais velha, Ane Shirley, jogava muito bem handebol, era realmente uma jogadora muito forte, que chegou à seleção brasileira. Um dia, um colégio [Dom Bosco] ofereceu uma bolsa de estudos, mas ela aceitou com a condição de que quando eu fizesse dez anos, também começaria a jogar em troca dos estudos.” Foi assim que começou a carreira da jogadora, que inicialmente não gostou do handebol. “Para ser sincera, só fui jogar por causa da bolsa. Depois de alguns treinos que comecei a me apaixonar pelo esporte e não dava mais para largar.”

Como dissemos anteriormente, em 1995, Pará foi a melhor jogadora do Campeonato Brasileiro, e transferiu-se para o Mirassol, de São Paulo. De lá, foi para São Bernardo e São Paulo/Guarulhos. Hoje está em Sorocaba como técnica da equipe juvenil e júnior da seleção sorocabana de handebol e, no Colégio Ser! Sorocaba, atua como técnica da equipe de handebol escolar. Estrear em Jogos Olímpicos é o maior sonho de uma atleta. Até a participação na Olimpíada de Atenas em 2004 e Pequim, em 2008; o melhor momento da vida da atleta, segundo ela própria, tinha sido o ouro no Pan de Santo Domingo, em 2003. Mas todo atleta quer mesmo é estar em uma Olimpíada. Ela sabia que um bom resultado em Atenas podia mudar a sua vida. Depois do Pan, muitas portas se abriram. Segundo ela, ganhou um aumento no salário em São Paulo [justíssimo], teve várias propostas de outros clubes, bem como o patrocínio da Adidas. Ficou famosa, pois quando ia à João Pessoa, populares a reconheciam na rua e pediam autógrafos.

Fontes: pt.wikipedia.org e Agência Estado (5 de agosto de 2004)