Era uma vez, em um lugar não muito distante, lá estava eu na escola, na aula de Oficina de Escrita e eu pedi para ir ao banheiro.
Quando estava voltando para a sala de aula, tropecei em uma linda caixa de cristal com lindos animais místicos coloridos nas laterais e com dez pedras preciosas na tampa.
Quando a toquei, uma explosão de glitter veio em minha direção e, quando percebi, estava em um lugar macio, eu estava com roupas de baile, uma linda coroa brilhante na cabeça e muitas joias.
Eu já ia começar a gritar quando ouvi alguém falar:
— Venham todos os contos para a festa das princesas, serão avisados com o badalar do relógio!
Fiquei muito empolgada e sai correndo em direção à Vila, porque percebi que estava nos contos de fadas.
Quando cheguei lá, ouvi o relógio badalar, então fui até o castelo e entrei. O castelo era lindo, enorme e brilhante.
Eu vi todos os personagens dos contos e, de repente, eles pararam a festa e ficaram me olhando, e um falou:
— Quem é você? Nunca vimos você aqui!
— Eu sou a Maria Fernanda, e vim de outro mundo. Vocês podem me ajudar a voltar para casa?
— Claro que sim!
— Muito obrigada!
Então, de repente, uma bruxa apareceu e lançou uma maldição em mim. Eu teria que passar por todos os contos de fada para voltar para casa.
A Chapeuzinho Vermelho, que era muito competitiva, disse:
— Para ganhar nossa ajuda, você vai ter que ganhar uma batalha de dança!
Eu aceitei o desafio, então a batalha começou.
No final, eu estava perdendo e, de repente, no último minuto, ganhei um bônus e venci a partida. As princesas pegaram a carruagem e me levaram por um tour nas suas histórias. Depois, todos eles me ajudaram e, aos poucos, virei amiga de todos.
Quando estava na hora de ir embora, dei adeus e entrei em um portal.
Pelo portal, cheguei no banheiro da escola, e, de repente, todos os personagens caíram em cima de mim.
Decidi levá-lo para a sala de aula. Todos da escola ficaram assustados, mas foi bom, pois os personagens contaram suas histórias a todos.
Quando acabou, não queriam ir embora, então os arrumei para ficarem mais normais. Eles construíram uma casa do lado da minha para ficarmos próximos.
E vivemos felizes para sempre…

Por: Maria Fernanda – 6o.Coqueiro