Por: Giulia Lozano Ferrarezi – 6o.ano

Todo mundo já viu uma árvore, mas não pelo meu lado.
Há muito tempo, eu me perdi em um parque de diversão, eu era pequeno, então não pensei em falar com um guarda, só pensei em sair andando para procurar meus pais, mas não os achei. Foi acontecendo e começou a chover, eu já estava fora do parque, fui rapidamente procurar uma árvore para me abrigar, achei uma pequena que quase nem me protegia, mas deu para o gasto.
No dia seguinte, acordei faminto, então fui procurar algo para comer, encontrei um bichinho pequeno e pensei:
— Vou pegá-lo, mas como?
Montei toda estratégia, então fui silenciosamente até o bicho, e pulei para frente, mas algo me segurou, o que era? Olhei para trás no espanto e:
— Uma árvore? O quê?
Quando olhei bem para ela, estava escrito:
— Não faça isso!
E, quando li, uma maçã caiu na minha cabeça, rapidamente a comi, e praticamente toda refeição era assim, às vezes, até sentia dor de cabeça!
O tempo na mata passa tão rápido que, quando percebi, aquela árvore pequenina já era uma árvore gigante. A rotina na floresta é incrível, todo dia eram aventuras, eu, a árvore e o Lito, um porquinho da Índia, que eu achei, éramos os aventureiros. Um dia estávamos brincando e achei uma placa que dizia:
— Terreno comprado.
Foi um choque, tínhamos que impedir o grande desmatamento, mas teria que impedir sozinho, pois o ser humano é uma criatura perigosa. Chegou o dia, a floresta estava cheia de máquinas, então comecei a falar coisas boas sobre a natureza, mas não adiantou, já estavam na quinta árvore e a próxima era a minha, então comecei a contar minha história, falando que nenhum ser humano me ajudou, somente aquela árvore e outras coisas. O presidente e todos os outros se emocionaram e pararam, proibiram o desmatamento, foi lindo, espero que esse seja o fim desta história para nosso planeta!!