Por: Rafaella Amorim Campos – 8o.ano

Dependendo da edição, Assassinato no Expresso do Oriente tem cerca de duzentas páginas, as quais são divididas em três partes. A edição que será comentada foi traduzida por Érico Assis e publicada em 2021 pela editora Harper Collins. A obra de Agatha Christie foi originalmente lançada em 1934 e conta sobre um assassinato que é resolvido pelo detetive Poirot, em meio a uma viagem de trem.

Agatha Christie nasceu em 1890, foi escritora, dramaturga, poetisa e romancista britânica, que se destacou no gênero de ficção policial, durante sua carreira, e ganhou, em vida, o apelido de Rainha do Crime. Ela faleceu em 1976, de causas naturais.

Em meio a uma viagem, Hercule Poirot recebeu um telegrama, solicitando sua volta a Londres. Seu colega e diretor do trem, Bouc, tem um comportamento antiético – permite que o detetive embarque no lugar de um passageiro que não havia chegado, porém não estava atrasado – e faz com que Poirot embarque no trem, o qual, surpreendentemente, estava cheio para aquela época do ano.

Pouco após a meia-noite, devido a uma nevasca, o trem para completamente e, na manhã seguinte, descobre-se um assassinato a facadas em um passageiro, revelando, então, a falta de segurança do transporte. Assim, não resta nenhuma opção a Poirot, senão começar uma investigação.

Gostei muito do livro e o recomendaria para o público a partir dos doze anos.A linguagem só se torna um desafio em poucos momentos em que há frases em francês, mas, ainda assim, é um livro muito bom e faz com que o leitor reflita sobre vingança e justiça.