Por: Sofia Cardozo – 8o.ano

Eu estava na clínica escutando múcica, quando um menino baixo e loiro chegou correndo desesperado e me disse que tinha uma história para meu livro de horrores. Eu deixei-o se sentar e o acalmei. Ele já estava pálido de medo quando começou a falar.

-Oi, eu s-sou o Erick, os meus pais f-foram viajar e me d-deixaram na casa da minha avó, EU NUNCA MAIS VOLTO NAQUELE LUGAR!!!

Ok, ok…. Se acalme comece a história! -Eu disse passando a mão no ombro dele.

-Bom, eu e meu gêmeo Luca fomos para a casa da Vovó Margarete, que perdeu seu marido recentemente, mas claramente não aceitava isso. Lá é tudo muito simples, mas sempre foi a mais legal, pois é na praia e tem uma caverna lá perto, mas dessa vez foi diferente, a vovó ficava falando sozinha com o vovô, mas não tinha ninguem lá.

Como eu e o Luca estávamos achando ela estranha, fomos na caverna da praia e umas coisas estranhas aconteceram, nós estávamos escutando uns barulhos e uma mancha esverdeada e flutuante ficava aparecendo e desaparecendo. O Luca e eu ficamos com medo e fomos embora. Chegando em casa vimos que os cachorros estavam latindo desesperados e a vovó estava no chão, nós fomos em direção a ela, mas ela levantou de um jeito estranho e rápido, nisso tudo ficou diferente. Um vulto verde da vovó apareceu e… Eu juro que eu não queria deixá-la para trás, mas ela virou os olhos e correu atrás do Luca, eu tinha que sair dali!!

-O seu irmão ainda está vivo? – perguntei, mas ele balançou  cabeça.

-Entendi, deixe eu te levar para um lugar mais calmo e alguém vai te servir uns biscoitos e o acompanhei até a sala de gritos, que pena, ele era um bom garoto, mas o avô chegou antes.