Por: Rafaella Amorim Costa Campos – 8 o.ano

Dom Quixote trata sobre um homem completamente apaixonado por livros de cavalaria e se perde nesse mundo alucinógeno, acreditando que é um cavaleiro andante. A obra de Miguel de Cervantes foi originalmente publicada
em duas partes: a primeira em 1605 e, a segunda, em 1615. Miguel de Cervantes nasceu em 1547, na cidade de Madri, Espanha, foi romancista, dramaturgo e poeta. A obra lida é uma tradução e adaptação de Walcyr Carrasco, é a 14° impressão da edição publicada pela editora Moderna, contém 23 capítulos e 206 páginas. Walcyr Carrasco nasceu em 1951, em Bernardino de Campos, São Paulo, é escritor, cronista, dramaturgo e roteirista, com diversos trabalhos premiados. 

A obra conta a história de Alonso Quijano, um homem completamente apaixonado por histórias de cavalaria, que perde sua lucidez e começa a crer com toda a certeza que era um cavaleiro andante e tinha de combater as injustiças praticadas mundo afora. O homem, que agora se denominava Dom Quixote, vestiu uma armadura improvisada e foi atrás de sua glória. 

Após perder uma batalha, se junta a Sancho Pança, que acreditava ser seu fiel escudeiro, e os dois saíram em busca de aventuras. Os dois perdem muitas “batalhas”, arrumam muitos problemas e criam um belo vínculo de amizade. O livro aborda assuntos, como: lealdade, amizade e o estigma da sociedade em relação aos transtornos psicológicos, o qual marginalizava aqueles que sofriam com esses problemas e basicamente eram taxados de loucos. 

Eu gostei muito do livro por ser um clássico. No começo, achei que a leitura seria um desafio, mas a adaptação que li tem uma linguagem simples e objetiva, tornando-a uma leitura leve e bem rápida. As personagens são bem descritas e o ritmo não é parado. Com certeza, recomendaria o livro para pessoas que se interessam por clássicos e para adolescentes que, assim como eu, não acharam ainda o seu gênero textual preferido.